20 abril 2018

Leitura em curso


"... As pessoas são como livros. Contam histórias. Proporcionam leituras. Há o género de leitura fácil e o género de leitura intrincada, densa. Há as que nos dão pistas do seu enredo desde as primeiras linhas. Outras não se percebem nem no fim da história. Independentemente do género literário de cada uma, sempre me detive a folhear pessoas..."

In "Quando os Pardais Perdem o Medo" de Margarida Brito

Ofereceram-me em Dezembro último e só hoje lhe peguei. Gosto, quando um livro me agarra nas primeiras linhas. Foi o caso...

02 abril 2018

O que queremos parecer e o que somos na realidade!

Foto João Relvas / LUSA, daqui

Sábado passado foi dia de ir ao teatro ver a peça "O Deus da Carnificina", no Teatro da Trindade. Gostei bastante. Se tivesse que classificar a peça em 2 palavras diria que é uma comédia negra. A verdade é que a vida é mesmo, por vezes, uma comédia negra. As nossas fragilidades e o verdadeiro carácter, vêm ao de cima muito rapidamente em situações de stress e de confronto. E muitas vezes, nada do que parece é!

20 março 2018

Primavera e Felicidade

Foto minha

Diz o calendário que hoje há um que chega e outro que se celebra. Bom mesmo, é que todos os dias aconteçam um bocadinho de um e um bocadinho de outro ...

08 março 2018

Sobre o dia 8 de Março

Imagem da net

O que me chateia mesmo, mas mesmo, mesmo, é o facto de haver necessidade de se continuar a celebrar o dia da mulher. Sonho com o dia em que já não seja necessário. De todo!

27 fevereiro 2018

Netflix


Força de vontade, muita força de vontade para não me perder face a este Universo paralelo! Oh yeah! 

24 fevereiro 2018

Das séries imperdíveis - The Crown



Sou totalmente adicted!!! Excelente reconstituição histórica, argumento incrível (diálogos fantásticos), cenários fabulosos, guarda-roupa fidelíssimo, óptimos actores, enfim ... uma série a roçar a perfeição.

19 fevereiro 2018

Fragmentos Musicais (5)



Walk on Water (Eminem & Beyoncé)

"... Why are expectations so high?
Is it the bar I set?
My arms, I stretch, but I can't reach
A far cry from it, or it's in my grasp, but as
Soon as I grab, squeeze
I lose my grip like the flyin' trapeze..."

É bom ter expectativas altas? Pode servir-nos de motivação? E se não corre bem? O que fazer com a desilusão? Será sempre necessário encontrarmos o ponto certo do equilíbrio. O nosso... 

12 fevereiro 2018

Brincadeiras do destino ou simples coincidências?


"Certa tarde, fui dar um passeio pela floresta. Sem sair do trilho, para não me perder, comecei a seguir o som distante de congas. Cerca de dez minutos depois, numa clareira bem no meio da floresta, encontrei um homem negro, magro e alto, a tocar conga para entreter a vida selvagem. Quando ele olhou para mim, vi-me diante de Richard Blackwell, o meu amigo e conterrâneo de Freehold, que crescera comigo. Quais são as probabilidades de uma coisa assim acontecer? Ficámos pasmados, quase sem conseguir crer que nos pudéssemos reencontrar a milhares de quilómetros de casa, por estarmos precisamente no mesmo sítio à mesma hora..."

in Born to Run, a autobiografia de Bruce Springsteen 

08 fevereiro 2018

Manhã cultural

"ESCHER"

"As Ilhas do Ouro Branco"

Os dias gelados incentivam a programas dentro de portas. Assim, hoje de manhã visitei as exposições temporárias do Museu de Arte Popular e do MNAA, sendo que o Escher me deixou encantada. "As Ilhas do Ouro Branco" incidindo sobretudo na arte sacra, não me cativaram da mesma forma ...

07 fevereiro 2018

Cenários de Inverno (11)


Foto do Musée de l'Orangerie, para ilustrar o nevão que tem estado a a cair em Paris, esta semana. Esta foto tem tanto de bela como de irreal. Quase parece uma pintura ...

06 fevereiro 2018

E o resultado foi ... (continuação do post anterior)


Este! Dada a minha total inabilidade para tachos, panelas, formas e afins, desta vez até me dei bem! E saiu um belo chá para acompanhar a leitura do momento...

Não me lembrei de fazer fotos durante a confecção. A ideia foi aproveitar duas bases de massa folhada que se estavam a aproximar do fim de validade. Como tinha maçãs reineta, decidi-me por uma tarte de maçã à minha moda, o que resumindo deu no seguinte: base de massa, um pouco, mesmo pouco de compota de maçã no fundo, 3 maçãs reineta cortadas aos cubos e salpicadas de sumo de limão, polvilhadas em seguida com uma mistura de  açúcar mascavado e canela. Por cima a segunda base para fechar. Pincelei com geleia de marmelo e forno com ela durante  cerca de 35/40 minutos. É claro que quase que me distraía e ia deixando queimar ... mas se isso não acontecesse então não era eu que cozinhava!!!! 

Não sei bem o que me deu ....

Não, não é o título de qualquer canção do momento. Apenas estou na cozinha a fazer uma tarte. Vamos ver o que daqui sai. Quem me conhece ... compreende o título! Já dou notícias ... (não me responsabilizo se não forem as melhores ...)

05 fevereiro 2018

Saudade

Para ti minha mãe...

Dois anos, hoje. Podiam ser cinquenta! A saudade nunca se apaga!
Continuas presente no nosso dia a dia. Nos nossos corações, nas nossas conversas, nas nossas memórias, sempre com carinho, com muito carinho ...

22 janeiro 2018

É tempo de boicote - #nannyboicote


A Pólo-Norte do blog Quadripolaridades lançou o mote neste post. Está lá tudo bem explicado. Eu gosto pouco de reality shows. Quando envolvem crianças então, tiram-me totalmente do sério. Por isso vamos à luta e dizer não!

20 janeiro 2018

Travessias

Foto minha (Ago 2017), antiga barcaça que fazia a travessia do rio Lima, entre a Passagem e Lanheses


Por vezes é preciso atravessar porque é na outra margem que está o que precisamos. Procuremos então o meio e atravessemos. Seguros e confiantes!

Para Atravessar Contigo o Deserto do Mundo

Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei

Por ti deixei meu reino meu segredo
Minha rápida noite meu silêncio
Minha pérola redonda e seu oriente
Meu espelho minha vida minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso

Cá fora à luz sem véu do dia duro
Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo

Por isso com teus gestos me vestiste
E aprendi a viver em pleno vento

Sophia de Mello Breyner Andresen, in 'Livro Sexto'

17 janeiro 2018

A mágica voz de Salvador Sobral



Aqui no Projecto Alexander Search, com a música A Day of Sun. Tão, mas tão lindo! Fica bom depressa Salvador, para voltares a encantar-nos com a tua música e a tua voz...

16 janeiro 2018

Leitura em destaque este mês

"a máquina de fazer espanhóis" de Valter Hugo Mãe

Este é o livro, em discussão no mês de Janeiro, na minha Comunidade de Leitores. O romance anda em torno da chamada terceira idade, nos nossos dias idade sénior. Fala da velhice, da amizade, do amor e muito mais. A entrada num lar, de um barbeiro de 84 anos, após a morte da mulher, dá o mote a uma história emocionante, que ora nos faz rir ora nos coloca um nó no estômago. O enfoque nos laços familiares ou a falta deles, leva-nos a pensar numa situação que mais tarde ou mais cedo todos podemos acabar por vivenciar. Talvez por isso, não consigo evitar de o ler de uma forma ávida e quase compulsiva. 

15 janeiro 2018

Cenários de Inverno (10)


Fotos minhas - entre as praias de Carcavelos, da Torre e o Passeio Marítimo de Oeiras.

O céu e o mar em pleno Inverno ou ...... o privilégio de viver num lugar assim. Começo a criar a rotina de caminhar à beira-mar algumas manhãs por semana. Até posso passar por ali todos os dias que o encantamento é sempre o mesmo. Hoje tudo brilhava (1ª foto), o mar quase sem ondas, o céu azul, pequenas embarcações de pescadores e uma ou outra pessoa caminhando na areia. Uma dádiva, uma autêntica dádiva...

14 janeiro 2018

Ao acaso na estante (1)

O livrinho a que volto muitas vezes

« Dans un beau jardin où les rayons d’un soleil automnal semblaient s’attarder à plaisir, sous un ciel déjà verdâtre où des nuages d’or flottaient comme des continents en voyage, quatre beaux enfants, quatre garçons, las de jouer sans doute, causaient entre eux……

…. Le soleil s’était couché. La nuit solennelle avait pris place. Les enfants se séparèrent, chacun allant, à son insu, selon les circonstances et les hasards mûrir sa destinée, scandaliser ses proches vers la gloire ou vers le déshonneur. »

A abrir e a fechar Les Vocations, poema XXXI de « Le Spleen de Paris » de Charles Baudelaire

Nunca leio um só livro de cada vez. Tenho sempre 2 ou 3 em curso, cuja leitura vou alternando de acordo com a vontade do momento. De vez em quando vou à estante, escolho um daqueles a que voltamos muitas vezes, abro ao acaso e releio meia dúzia de páginas. Hoje voltei aos poemas em forma de prosa de Baudelaire, com o Spleen de Paris. Abri o livro e caí no meio do poema XXXI Les Vocations. Adoro, simplesmente…


12 janeiro 2018

Sting - The Rising - Kennedy Center Honors Bruce Springsteen




Já adoro a música The Rising, nesta homenagem do Sting ao Bruce então ... fico sem palavras de emocionante que é ...